quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Era uma vez...


A história de hoje é: "QUEM NÃO TEM CÃO USA A IMAGINAÇÃO"

Escrevi esta história na época em que morei num condomínio onde eram proibidos animais de estimação. Troquei os nomes das pessoas e do condomínio, mas, a história aconteceu mesmo.


No condomínio Mares do Sul, morava um lindo garotinho chamado Rodrigo e o sonho dele era ter um cãozinho com quem pudesse brincar. A mãe, dona Marli, tentou, inúmeras vezes convencer o síndico que nada de mal aconteceria se o filho pudesse ter um cão em casa, mas, não obteve autorização.
O tempo passou...
Se vocês pensam que o Rodrigo se conformou, estão enganados. No apartamento de baixo, morava dona Mariquita, que não era o que se pode chamar de um amor de vizinha. Era do tipo que grudava a orelha na parede pra ouvir melhor o barulho dos outros. Sim! Existe gente assim por aí. Certo dia, ela foi procurar o síndico e reclamou dos latidos do cachorro do andar de cima. O síndico, seu Atílio, imediatamente, tocou a campainha do apartamento da dona Marli, com o regulamento na mão. E já foi falando grosso: - no prédio havia lei e NINGUÉM podia ter cachorro.
Dona Marli, pacientemente, explicou ao síndico que era viúva, e o Rodrigo, sentia falta de companhia, por isso FAZIA DE CONTA que tinha um cachorro, imaginava, brincava...
Imaginação? Coisa difícil de entender. O síndico foi embora, não totalmente convencido, mas, procurou a vizinha reclamona e contou a ela aquilo que dona Marli dissera. Dona Mariquita não se conformou e foi, pessoalmente, ao apartamento de Rodrigo dar "um flagrante" no menino e seu cão barulhento. Apertou a campainha e quando a porta se abriu, foi entrando aos gritos- ela queria ver o cão, o tal Cruel. Dona Marli, percebendo que falar a verdade de nada adiantaria, resolveu dar uma lição na vizinha implicante. Disse que Cruel estava no quarto do Rodrigo, acorrentado, é claro, pois era perigoso. Mariquita correu para o quarto chamando pelo animal. Procurou debaixo da cama e por todos os cantos e, claro, nada encontrou. Só então, percebeu que fizera um papel ridículo. Saiu dali furiosa e decepcionada.
Mas, essa história não acabou mal, pelo contrário. Dias depois, Rodrigo encontrou dona Mariquita no elevador e cumprimentou-a, educadamente e fez mais: elogiou o aroma do chá que ela costumava oferecer às amigas. Nem é preciso dizer que, com essa atitude, o menino conseguiu "desarmar"a vizinha. Não sei se ficaram amigos, mas, dona Mariquita, que também era solitária, convidou Rodrigo pra ir à casa dela tomar chá. E acreditem, o cão Cruel também foi convidado.

Esta história foi publicada pela Duna Dueto Editora com ilustrações do Walter Lara.
Quem quiser ter sua história publicada na página "Era uma Vez"... envie-me,por favor.

Um abraço,
Regina Sormani




4 comentários:

  1. Olá, estou passando por aqui para convidar você para conhecer meu DOCE blog.

    Quando puder passe por lá, vai ser um prazer ter sua companhia.

    www.tatidesignercake.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi, Regina! Parabéns pela página nova e pelo livro!!!
    Beijão!

    ResponderExcluir
  3. Oi, Regina!

    Sou professora do curso normal em nível médio, uma das disciplinas que ensino/aprendo com as meninas é literatura infantil.
    Neste ano, uma das alunas, a Laura Aguirre, apresentou para as crianças e para mim, no pré-estágio, "Quem não tem cão usa a imaginação"!
    Nos encantamos!
    Hoje ela me enviou um vídeo, em que narra a história. Achei muito bacana e resolvi te procurar e mostrar o trabalho da Laura!
    Está publicado na Revista Era uma vez..., um projeto que está começando lá na escola!

    https://sites.google.com/site/revistaeraumavez/quem-nao-tem-cao-usa-a-imaginacao

    Beijos!

    Suely

    ResponderExcluir
  4. Voltei pra deixar o link do blog da Laura! :)

    http://cabecadelaura.blogspot.com.br/2012/11/hora-do-conto-feita-na-culminancia-do.html?showComment=1353786735314#c7200187264124955350

    Abs

    ResponderExcluir